Maio Amarelo: saúde mental explica aumento de acidentes fatais

Especialistas apontam que aumento de mortes revela urgência de cuidar da saúde mental dos motoristas

Maio Amarelo
No ano passado, o número de sinistros nas rodovias federais brasileiras aumentou 5%, o que resultou também no aumento do número de mortos (3%) e feridos (7%). Uma análise cuidadosa sobre os dados fornecidos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) revela que a letalidade dos acidentes vem aumentando ano a ano.
Em 2007, o Brasil registrava 1 morte a cada 19 sinistros (127.671 sinistros e 6.742 mortes). No ano passado, essa proporção caiu para um óbito a cada 12 acidentes (67.658 sinistros e 5.621 mortes).

Irritação leva à imprudência

Na avaliação de especialistas em Psicologia do Trânsito e Segurança Viária, esses números reforçam a urgência de abordar a saúde mental dos motoristas como um componente vital para reduzir a incidência de mortes e sinistros. Carlos Luiz Souza, psicólogo especializado em Psicologia do Trânsito e vice-presidente da Associação de Clínicas de Trânsito do Estado de Minas Gerais (ACTRANS-MG), explica que a violência no trânsito está diretamente ligada à impaciência e aos conflitos internos que cada um de nós enfrenta. 
“O excesso de tarefas e atribuições, a falta de tempo, o excesso de informações e os longos períodos que as pessoas passam no trânsito em deslocamentos diários contribuem para deixar os motoristas mais impacientes e irritados. Essa deterioração da saúde mental impacta o trânsito de uma maneira contundente” comenta.
Segundo Souza, a irritação leva à imprudência e ao cometimento de infrações como o avanço de semáforo e excesso de velocidade. “Esses comportamentos estão diretamente relacionados ao aumento de sinistros e de mortes. A maior ocorrência de infrações por excesso de velocidade, conforme já noticiado na imprensa, está ligada à letalidade dessas ocorrências.”

Atenção e cuidado

A psicóloga especialista em Trânsito e presidente da ACTRANS-MG, Adalgisa Aparecida Guimarães Pereira, ressalta que o estigma e o descaso com a saúde mental no Brasil são fatores que contribuem para o aumento gradativo das mortes no trânsito.
Essa conclusão fica evidente quando se analisa o ranking feito pela Polícia Rodoviária Federal com as principais causas de sinistros no primeiro trimestre de 2024. As cinco principais causas são a reação tardia ou ineficiente do condutor; a ausência de reação; acessar a via sem observar a presença dos outros veículos; velocidade incompatível e deixar de manter distância do veículo da frente. “O comprometimento da saúde mental afeta diretamente a capacidade de tomar decisões, manter a atenção e o controle emocional. Isso pode levar a comportamentos de risco, como agressividade e desobediência às regras”, completa Adalgisa.
Na avaliação dos especialistas, a segurança no trânsito só melhorará se encararmos o problema de forma multidisciplinar, conjunta e abrangente, com o envolvimento de toda sociedade. Ações do Maio Amarelo estão nesse meio.
A educação para o trânsito deve começar na pré-escola e é indispensável cuidar da saúde dos condutores de forma adequada. Sem cuidar da educação e saúde de todos os envolvidos no sistema nacional de trânsito, estaremos fadados ao fracasso nas políticas públicas para um trânsito seguro”, resume Souza.
Compartilhe nas redes sociais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu Nome aqui!