Distribuidora da Coca-Cola reduz em 25% o tempo ocioso com gestão de frotas

Entenda o caso da Cobesa, no Maranhão, que melhorou a eficiência de seus 35 veículos (entre caminhões e motos) com aplicativo de gestão.

Identificação de frenagens, acelerações, comportamentos em curvas. Acompanhamento da forma de conduzir o veículo, incluindo tempo em que o motor fica ligado sem necessidade. Todos esses dados são fundamentais para uma boa gestão de frotas. Cada vez mais essas informações são fundamentais para economia.

Recentemente a Cobesa, distribuidora a Coca-Cola no Maranhão divulgou o seu case de 25% de redução no tempo ocioso de seus veículos utilizando esses dados na resolução dos problemas.

Solução recente

A empresa, com sede em Barra do Corda, município com localização estratégica (está no centro geográfico do estado nordestino), começou a utilizar a solução só em outubro de 2021. Segundo o gestor da frota, Nilo Gonçalves, os resultados foram perceptíveis já nos seis primeiros meses. Transcorrido um ano e meio, ele detalha a melhoria de desempenho dos 35 veículos, entre caminhões e motos.

“Corrigimos erros de comportamento dos condutores, muitas vezes involuntários. De imediato, isso levou à economia de combustível, item que tem seu preço elevado constantemente”, ilustra. Ocorre que, ao apurar comportamentos na condução de veículos, a telemetria permite identificar e corrigir ações que levam ao gasto desnecessário de combustível, assinala o gestor.

A gestão da empresa havia determinado que a média tolerável de ociosidade do motor não poderia passar de 3% ao mês, para as motos, e de 10% para os caminhões. A redução alcançada foi de 25%.

Até 2021, a empresa fazia o acompanhamento manual das condições e desempenho da frota. Recursos como o da telemetria não faziam parte da sua realidade.

Análise precisa

As análises iniciais ocorreram por eventos como aceleração brusca, frenagem brusca, curva acentuada e tempo ocioso do motor. O passo seguinte foi se debruçar nos dados para obter respostas.

Segundo Victor Cavalcanti, CEO da plataforma de gestão de frotas, o próprio Nilo Gonçalves participou das análises:
“Nilo, com seus anos de experiência e sensibilidade, identificou na plataforma que o tempo ocioso do motor estava muito alto. Ao investigar minuciosamente o problema, referido motorista sinalizou que o veículo não estava desligando há um tempo. Ou seja, o defeito do veículo afetava o tempo ocioso do motor, consequentemente, aumentava o consumo do combustível.”

De posse desse diagnóstico, o gestor da frota pôde tomar decisões e estabelecer medidas concretas. “Por exemplo, alinhou com os motoristas a seguinte regra: os veículos devem ser desligados durante a entrega, e o aplicativo envia alertas em caso de veículo parado e ligado acima de um tempo determinado pela operação”, cita Calvacanti.

LEIA MAIS: Loggi amplia capacidade operacional de seu crossdocking de MG

Compartilhe nas redes sociais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu Nome aqui!