Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Mercado | sexta-feira, 06/10/2017 05:29

Venda de implementos apresenta queda de 13% entre janeiro e setembro

No período a indústria entregou ao mercado 41.630 produtos contra 47.848 unidades no mesmo período de 2016
No período a indústria entregou ao mercado 41.630 produtos contra 47.848 unidades no mesmo período de 2016
O volume de implementos rodoviários emplacados de janeiro a setembro de 2017 registrou retração de 13% com relação ao total apurado no mesmo período de 2016. No período a indústria entregou ao mercado 41.630 produtos contra 47.848 unidades de janeiro a setembro do ano passado.
 
Um dado que chama a atenção está entre os oito segmentos, dentre os 15 que compõem o setor de Reboques e Semirreboques, com emplacamento superior a 1 mil unidades. Entre esses oito setores, cinco já apresentam resultado positivo. São eles Basculante, Baú Carga Geral, Dolly, Baú Lonado e Tanque Carbono. 
 
“Esse indicativo em meio ao ambiente geral de retração corrobora a impressão do setor que estamos em rota de recuperação, lenta mas sem oscilações para baixo”, avalia Alcides Braga, presidente da ANFIR-Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários.
 
No total, o segmento Pesado apresentou retração de 6,19% com emplacamento de 17.326 produtos de janeiro a setembro de 2017 ante 18.469 em igual período do ano passado. 
 
Exportação
 
A Anfir renovou por mais um ano o acordo com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) para desenvolver as exportações do setor. 
 
“Exportar é ampliar os horizontes de negócios da indústria brasileira e temos que prosseguir com esse trabalho”, afirma o diretor Executivo da Anfir, Mario Rinaldi. 
 
As vendas de implementos rodoviários ao exterior em 2017 estão negativas com relação ao resultado do ano anterior. De janeiro a agosto foram exportadas 2.426 unidades ante 2.547 produtos no mesmo período de 2016. Isso representa recuo de 4,75%.
 
“Exportações obedecem outra dinâmica nos negócios”, diz o diretor Executivo da ANFIR. “A renovação do acordo com a Apex-Brasil deverá trazer mais dinamismo aos esforços de internacionalização da nossa indústria”, conclui. 
 

Deixe seu comentário