Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Transportes | sexta-feira, 17/02/2017 05:22

Secretário de transportes recebe reivindicação de motoristas de ônibus

Sindicalistas querem melhorias na estrutura de pontos finais e de transferência, além da instalação de banheiros e bebedouros

Na tarde da última quinta-feira (16) os representantes da gestão Doria e da direção do Sindmotoristas, o sindicato dos motoristas e cobradores de ônibus de São Paulo, se encontraram novamente em reunião com representantes de motoristas e cobradores. Os sindicalistas entregaram uma pauta de reinvindicações para melhorar a estrutura de pontos finais e de transferência, inclusive com a instalação de banheiros e bebedouros.

A categoria também quer que administração acompanhe a campanha salarial e a negociação com os empresários. Segundo o presidente do Sindmotoristas, Valdevan Noventa, os acordos coletivos foram fechados com dificuldade nas ocasiões anteriores. “Os empresários de ônibus ‘choram’ dificuldades jogando a culpa na Prefeitura para atender a pauta dos trabalhadores. Isso tem sido um empecilho para o fechamento dos acordos coletivos. Para esse ano, espero que a história seja diferente”, diz.

A reunião teve participação do secretário Municipal de Transportes e Mobilidade, Sérgio Avelleda, e o diretor-presidente da SPTrans, José Carlos Martinelli, que receberam as reivindicações.

Os sindicalistas também afirmaram que querem saber os detalhes dos projetos da nova administração para o segmento de transportes e se os trabalhadores estão inseridos neles. O grupo também pediu planos de qualificação profissional da categoria.

Esta é a segunda reunião entre administração e o sindicato neste início do ano.

Na semana passada, a entidade quis saber detalhes da secretaria de transportes sobre eventual retirada dos cobradores do sistema, diante de estímulos que devem ser adotados pelo poder público para reduzir ainda mais a circulação em dinheiro nos ônibus da capital paulista. Hoje, em torno de 6% dos passageiros pagam com cédulas e moedas.

Fonte: Diário do Transporte

Deixe seu comentário