Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Balanço | segunda-feira, 20/02/2017 05:43

Roubos de carga causam prejuízo de R$ 619 milhões para a indústria no RJ

Dados divulgados pelo Sistema Firjan revelam que, em seis anos, aumento das ocorrências no estado foi de 220,9%

Só em 2016, os roubos de carga no estado trouxeram um prejuízo de R$ 619 milhões. Estudo divulgado na quinta-feira (16), pelo Sistema Firjan, revelou que em seis anos, aumento das ocorrências no estado foi de 220,9% e prejuízo chegou a R$ 2,1 bilhões.

De janeiro a dezembro do ano passado, o Rio registrou 9.862 roubos de cargas, o terceiro recorde consecutivo em 25 anos. De acordo com o estudo “O impacto econômico do roubo de cargas no estado do Rio de Janeiro”, das 139 delegacias da Polícia Civil no estado, 12 concentram mais da metade das ocorrências. O Sistema Firjan ressalta que estes locais ficam no entorno das principais rodovias e possuem trechos dominados pelo crime organizado, notadamente o tráfico de drogas.

Para a Federação, o roubo de cargas afeta negativamente o setor produtivo, elevando os custos relativos ao frete e gerando perda de competitividade, e também para a sociedade, por conta do aumento do preço final das mercadorias. A Federação destaca ainda que regiões com grande incidência passam a ser evitadas e a população local enfrenta o risco de desabastecimento ou de se tornar refém do crime organizado, que controla o comércio local.

Entre os motivos para o crescimento dos casos de roubos, em especial no Rio de Janeiro, o gerente de Estudos de Infraestrutura do Sistema Firjan, Riley Rodrigues, listou o fato das organizações criminosas que lidam com tráfico de drogas e contrabando de armas passarem a usar o roubo de cargas para se financiarem e também o encolhimento da capacidade da segurança, em razão da calamidade financeira do estado.

“Se olhar a questão da inteligência e da segurança no Estado, entre 2014 e 2015, o Rio reduziu as despesas de segurança pública na função policiamento em 54,6%. A grosso modo, o orçamento caiu de R$ 512 milhões para R$ 432 milhões. Em inteligência, que é investigação, passou de R$ 39,8 milhões para R$ 21,6 milhões. Ou seja, caiu 45,7%. No momento em que você tem a criminalidade crescendo, você diminui seu investimento em policiamento e em investigação, por causa da crise”, disse.

No Mapa do Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro 2016-2025, lançado pelo Sistema Firjan no ano passado, o combate ao roubo de cargas é apontado como uma das prioridades. Por isso, a Federação sugere ações que precisam ser implementadas simultaneamente, como o aumento do efetivo policial, a realização de serviços que garantam o bom funcionamento das forças policiai, além da realocação de recursos para equipar as forças policiais.

Fonte: O Globo

Deixe seu comentário