Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Conjuntura | quarta-feira, 29/11/2017 02:00

Rota 2030 herda falhas do antigo plano para veículos, diz Banco Mundial

De acordo com a instituição, programa mantém foco no mercado doméstico em função das exportações e privilegia grandes montadoras
De acordo com a instituição, programa mantém foco no mercado doméstico em função das exportações e privilegia grandes montadoras
O Banco Mundial afirmou, nesta terça (28), em estudo sobre o setor automotivo a ser apresentado, que o novo programa de estímulo em elaboração pelo governo Temer, o Rota 2030, parece herdar pelo menos duas desvantagens do programa anterior, o Inovar-Auto, que vence em dezembro: mantém o foco no mercado doméstico em detrimento das exportações e privilegia as grandes montadoras no lugar de fornecedores.
 
Ainda assim, segundo a instituição, a nova política tem potencial para ser mais eficiente do que a antecessora, à medida que elimina o tratamento diferenciado dado a veículos produzidos no Brasil em relação aos importados. O regime levou o Inovar-Auto a ser condenado pela OMC (Organização Mundial do Comércio).
 
De acordo com o estudo, o nível atual de proteção no setor automotivo reduz o incentivo à inovação e o alcance das exportações porque torna os custos mais altos e a qualidade mais baixa em relação a padrões internacionais.
O relatório sugere uma revisão da estrutura tarifária para reduzir o custo de insumos importados intensivos em tecnologia e inovação. Essa verificação somada à eliminação do IPI extra para veículos importados ajudaria a consolidar o setor em torno de modelos de veículos competitivos a nível mundial.
 
Segundo o Banco Mundial, o Inovar-Auto falhou na tentativa de tornar a indústria brasileira mais competitiva e não teve efeito sobre níveis de produção e emprego. Desde 2013, o programa destinou ao setor R$ 6,5 bilhões em descontos de impostos. A previsão é que o Rota 2030 conceda benefícios tributários às empresas no valor de R$ 1,5 bilhão por ano.
 
Fonte: Folha de São Paulo 
 

Deixe seu comentário