Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Componentes | sexta-feira, 24/06/2016 05:14

‘Ride & Drive’ compara transmissões automáticas e manuais

Teste promovido pela Allison Transmission mostra o desempenho das duas tecnologias em operações severas com caminhões betoneiras
‘Ride & Drive’ Allison

A Allison Transmission, fabricante de transmissões automáticas para veículos comerciais, promoveu um “Ride & Drive”, para comparar o desempenho de dois caminhões Volkswagen 26.280 6x4 – um com transmissão automática da Série 3000 e outro com caixa manual, ambos equipados com carrocerias betoneiras. O evento, promovido nos dias 23 e 24 de junho, nas dependências do ECPA (Esporte Clube Piracicabano de Automobilismo), de Piracicaba (SP), contou com a presença de frotistas, fabricantes de implementos rodoviários e jornalistas especializados. O objetivo foi testar os veículos que simulavam a rotina de um caminhão betoneira operando na construção civil.

Desafios

Os testes aplicados aos dois caminhões colocaram à prova aspectos como produtividade – resultante do ganho em aceleração e velocidade média de trabalho –, consumo de combustível e resistência em trabalhos severos.

O primeiro desafio simulou o atolamento de ambos os veículos, testando as transmissões em seus limites. Já o segundo teste comparou os dois caminhões no quesito aceleração, primeiro em uma pista reta e depois em um circuito oval. Além da aceleração, a prova mostrou a capacidade de arranque e a facilidade de manobra dos veículos em baixas velocidades e as diferenças de desempenho entre as duas transmissões.

A última simulação foi composta por um desafio off-road, que mostrou a desenvoltura do VW 26.280 6x4 equipado com transmissão automática e carregado com 5m³ de brita, em um terreno irregular.

Se os veículos com caixa automática não encontraram dificuldades para enfrentar terrenos acidentados, irregulares e escorregadios, maior desafio terá a empresa em convencer os frotistas das virtudes do componente. “No Brasil, as transmissões automáticas são pouco utilizadas, por razões culturais”, explica Constatino Valtas, Gerente de Contas da Allison. Um cenário bem diferente dos Estados Unidos, país no qual está a sede da empresa, onde o componente tem larga aplicação nos mais variados segmentos do transporte rodoviário.

Por Andressa Lima

Deixe seu comentário