Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Balanço | terça-feira, 07/11/2017 04:25

Qualidade das rodovias brasileiras piora em 2017, aponta CNT

Pesquisa indica que 61,8% da malha rodoviária foram consideradas como regular, ruim ou péssimo; no ano passado, foram 58,2%
Pesquisa indica que 61,8% da malha rodoviária foram consideradas como regular, ruim ou péssimo; no ano passado, foram 58,2%
A 21ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias mostra que a qualidade das rodovias brasileiras piorou em 2017. A classificação regular, ruim ou péssima atingiu 61,8%, enquanto em 2016 esse índice era de 58,2%. Em 2017, 38,2% das estradas foram consideradas em bom ou ótimo estado, enquanto um ano atrás esse percentual era de 41,8%.
 
A sinalização foi o aspecto que mais se deteriorou. Em 2017, o percentual da extensão de rodovias com sinalização ótima ou boa caiu para 40,8%, enquanto no ano passado 48,3% haviam atingido esse patamar. Neste ano, a maior parte da sinalização (59,2%) foi considerada regular, ruim ou péssima.
 
Em relação à qualidade do pavimento, o levantamento mostra que metade (50,0%) apresenta qualidade regular, ruim ou péssima. Em 2016, o percentual era de 48,3%. 
 
Já a geometria da via, manteve o mesmo resultado do ano passado: 77,9% da extensão das rodovias tiveram sua geometria avaliada como regular, ruim ou péssima e apenas 22,1% tiveram classificação boa ou ótima.
 
A Confederação Nacional do Transporte avaliou 105.814 km de rodovias, um acréscimo de 2.555 km (+2,5%) em relação a 2016. Foi percorrida toda a extensão pavimentada das rodovias federais e das principais rodovias estaduais do país.
 
Investimentos 
 
De acordo com o presidente da CNT, Clésio Andrade, “a queda na qualidade das rodovias brasileiras tem relação direta com um histórico de baixos investimentos em infraestrutura rodoviária e com a crise econômica dos últimos anos ”.
 
Em 2011, os investimentos públicos federais em infraestrutura rodoviária foram de R$ 11,21 bilhões; em 2016, o volume investido praticamente retrocedeu ao nível de 2008, caindo para R$ 8,61 bilhões. Este ano, até o mês de junho, foram investidos apenas R$ 3,01 bilhões.
 
Para dotar o país de uma infraestrutura rodoviária adequada à demanda nacional, são necessários investimentos da ordem de 293,8 bilhões, segundo o Plano CNT de Transporte e Logística. Apenas para manutenção, restauração e reconstrução dos 82.959 km dos trechos pesquisados são necessários R$ 51,5 bilhões.
 
Acesse todas as informações do levantamento, clique aqui.  

Deixe seu comentário