Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Mobilidade Urbana | quinta-feira, 25/08/2016 11:29

Propostas dos candidatos sobre mobilidade são superficiais, diz Idec

Legislações que ditam diretrizes para estas políticas públicas foram totalmente esquecidas no encontro dos candidatos na TV Bandeirantes

Se o espectador que acompanhou o debate realizado na última segunda-feira, 22, com os candidatos à prefeitura de São Paulo, esperava discussões mais aprofundadas sobre o tema da mobilidade, pode ter se frustrado. É o que diz uma análise do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).

O encontro foi na TV Bandeirantes e teve a presença do atual prefeito Fernando Haddad (PT) e os candidatos Celso Russomanno (PRB), Marta Suplicy (PMDB), Major Olimpio (Solidariedade) e João Doria (PSDB). “Foi consenso que o nível do debate entre os candidatos foi bem fraco. Legislações que ditam diretrizes para estas políticas públicas foram totalmente esquecidas”, comenta Rafael Calabria, pesquisador em mobilidade do Idec.

O Idec elencou ainda cinco políticas públicas, e a análise de entidades nos comentários dos aspirantes ao comando da maior capital brasileira. São elas:

Inspeção Veicular

O que foi dito: João Doria e Marta Suplicy afirmaram que irão avaliar o retorno da inspeção veicular, sem custos para os proprietários.

Avaliação das entidades: Inspeção é importante. Mais importante e efetivo é o desestímulo ao carro. Custos devem recair apenas sobre o proprietário do bem, e não sobre toda a população. Aplicar a inspeção apenas na cidade e não no Estado seria prejudicial.

Redução de velocidade

O que foi dito: Celso Russomano afirmou que não houve redução de mortes.

Avaliação das entidades: A redução do número de mortes não é exclusividade de São Paulo, vem ocorrendo em diversas cidades pelo Brasil e pelo mundo. Dados apontam que ano após anos desde que as reduções começaram na gestão Kassab. As políticas de ampliação de segurança no trânsito são uma prioridade clara na Política Nacional também.

Fiscalização de Trânsito

O que foi dito: João Dória e Celso Russomano afirmaram que há uma ‘indústria da multa’.

Avaliação das entidades: Fiscalização na cidade ainda é insuficiente, estima-se que apenas 5% a 10% das infrações são fiscalizadas. Ainda temos muito o que avançar na melhoria da qualidade da fiscalização. Ela é uma das ações primordiais para se ampliar a segurança no trânsito de acordo com o PlanMob, que prevê metas para isso.

Política Cicloviária

O que foi dito: Marta Suplicy afirmou que não é prioridade.

Avaliação das entidades: A infraestrutura e a rede cicloviária são prioridades da agenda da mobilidade municipal, e estão previstas tanto na Lei Federal quanto no Plano Municipal de Mobilidade com metas detalhadas para os próximos anos.

Plano de Mobilidade de São Paulo e Participação

O que foi dito: Fernando Haddad, atual prefeito, e os demais candidatos deixaram de lado as propostas construídas com participação popular.

Avaliação das entidades: Candidatos citaram propostas que contradizem o Plano, ou até que estão nele, mas sem fazer referência. Também o Conselho Municipal de Transito e Transportes, principal área de participação, foi ignorado no debate.

A íntegra do material está disponível no site MoveCidade, plataforma do Idec lançada em julho com o objetivo de aproximar a população do tema.

Fonte: Via Trolebus

Deixe seu comentário