Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Conjuntura | segunda-feira, 30/10/2017 02:21

PF descobre desvio de R$ 704 milhões em obras de rodovias federais

Organização criminosa direcionava licitações e contratos para empresas integrantes do grupo, às quais repassavam parte dos valores a servidores públicos
Organização criminosa direcionava licitações e contratos para empresas integrantes do grupo, às quais repassavam parte dos valores a servidores públicos
A Polícia Federal cumpre 25 mandados de busca e apreensão e outros 23 de condução coercitiva nos estados do Acre, Rondônia, Mato Grosso e São Paulo na Operação Buracos, nesta segunda-feira (30). 
 
A ação visa combater uma organização criminosa que desviava recursos públicos destinados à construção e manutenção de rodovias e ramais federais no estado do Acre. É estimado desvio de cerca de R$ 704 milhões. 
 
A operação é realizada em conjunto com a Receita Federal, Ministério Público Federal, Tribunal de Contas da União (TCU) e Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU). 
 
De acordo com a Receita, a organização criminosa direcionava licitações e contratos para empresas integrantes do grupo, às quais repassavam parte dos valores recebidos a servidores públicos como empréstimos fraudulentos ou pagamentos de propina. Como contrapartida, as empresas recebiam recursos adicionais que chegavam ao dobro dos previstos inicialmente por meio de medições fictícias ou aditivos aos contratos já estabelecidos.
 
Há indícios de que os investigados estariam usando parentes e terceiros para ocultação de patrimônio. Na investigação foi constatada a ocorrência de sobrepreço na aquisição e transporte de insumos, medições fictícias nas execuções da obra, obras em desacordo com o projeto, sobreposição de objeto em contratos distintos, pagamento de serviços não realizados, entre outras condutas fraudulentas.
 
O grupo está sendo investigado pelos crimes de organização criminosa, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa e lavagem de dinheiro. 
 
Fonte: Valor Econômico

Deixe seu comentário