Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Transporte | sexta-feira, 10/02/2017 05:40

Pesquisa de Defasagem do TRC é divulgada no CONET&Intersindical

Estudo demonstrou que 82% das empresas de transporte avaliaram o ano de 2016 como pior que 2015

No primeiro dia do CONET&Intersindical, ocorrido nesta quinta-feira (09), em Rio Quente (GO), foram divulgados os resultados da última Pesquisa de Defasagem do TRC. Realizada pelo Decope (Departamento de Custos Operacionais, Estudos Técnicos e Econômicos da NTC), a pesquisa foi apresentada pelo diretor técnico, Neuto Gonçalves dos Reis, e o assessor técnico, Lauro Valdívia, que também revelaram os índices de custos do setor.

O estudo demonstrou que 82% das empresas de transporte avaliaram o ano de 2016 como pior que 2015.

A avaliação reflete o resultado de 84% das transportadoras que viram seu faturamento encolher, em média, 19% devido ao aumento de custos com mão de obra, combustível, pneus, manutenção e despesas administrativas. E, apesar disso, ainda tiveram que conceder descontos nas negociações comerciais para voltar a movimentar seus veículos já que mais da metade da frota (52,8%) ficou parada no pátio.

O ano de 2016 foi difícil para o transportador e, para acompanhar a esperada retomada da economia em 2017, a qual já começa a dar indícios, as empresas deverão recompor suas tarifas, já que a defasagem e os índices apurados pelo Decope/NTC somam 19,28% para carga fracionada, sendo defasagem de 11,77% e INCTF de 7,51%, e 30,21% para a carga lotação, sendo 24,83% de defasagem e INCTL de 5,38%.

Além disso, também se faz necessário que as transportadoras, além de aplicarem a correção e inflação acima, também incluam o GRIS (Taxa de Gerenciamento de Risco) em sua planilha de custos, pois o mesmo estudo mostrou que 79,5% delas não fazem a cobrança desta taxa que é essencial para manter a infraestrutura tecnológica que garante a segurança da carga transportada neste momento em que os índices de roubo de carga sobem a cada mês.

Fonte: Setcesp

Deixe seu comentário