Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Conjuntura | terça-feira, 16/01/2018 04:12

Movimento nos portos-secos de MG recua 22,4% em 2017

Queda repete cenário de 2016 (-18,3%), segundo dados da Receita Federal

Os desembaraços nos portos-secos de Minas Gerais caíram em 2017, pelo segundo ano seguido. As aduanas estaduais desembaraçaram US$ 5,053 bilhões em mercadorias em 2017, contra US$ 6,514 bilhões no exercício anterior, uma queda de 22,4%. Em 2016, o recuo registrado foi de 18,3% sobre 2015. Os dados foram divulgados pela Receita Federal

O desempenho das aduanas varia muito, de acordo com a região e com a administradora de cada terminal. No Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, um dos mais importantes para o estado devido ao elevado valor agregado das mercadorias desembaraçadas, por exemplo, houve forte queda. Os desembaraços em Confins somaram US$ 2,615 bilhões em 2017, contra US$ 3,823 bilhões em 2016, recuo de 31,7%. O terminal de Confins respondeu por mais da metade (51,7%) do total desembaraçado em todas as aduanas de Minas ao longo do exercício passado.

O porto-seco de Juiz de Fora, na Zona da Mata, sofreu com a concorrência com portos litorâneos fluminenses e registrou queda ainda pior que Confins. A aduana desembaraçou US$ 104,5 milhões em mercadorias em 2017, uma redução de 79,5% em relação ao valor de 2016 (US$ 509,5 milhões).

A aduana de Uberaba, no Triângulo Mineiro, também registrou retração no valor das mercadorias importadas. O terminal desembaraçou US$ 816,2 milhões em 2017, baixa de 1% frente ao valor desembaraçado em produtos em 2016 (US$ 825,2 milhões). Este porto-seco sofre concorrência direta com o de Uberlândia devido à proximidade entre eles.

Em Uberlândia, também Triângulo, o porto-seco local, por sua vez, desembaraçou US$ 50,9 milhões em mercadorias durante 2017, com 22,5% de crescimento em relação ao montante desembaraçado no exercício anterior (US$ 41,5 milhões). No porto-seco Granbel, controlado pela Usifast, em Betim (RMBH), também relevante para Minas porque apresenta maior variedade na movimentação de mercadorias, as importações somaram US$ 956,7 milhões em 2017 e avançaram 8,7% em relação a 2016, quando os desembaraços totalizaram US$ 879,7 milhões.

As importações por meio da aduana de Varginha, no Sul de Minas, chegaram a US$ 507,1 milhões no ano passado. Na comparação com os desembarques de mercadorias em 2016, quando eles somaram US$ 425,8 milhões, houve um aumento de 19%, segundo a Receita.

Ao contrário dos desembaraços, as exportações através dos portos-secos cresceram em 2017. As remessas ao exterior por meio dos terminais mineiros em 2017 tiveram elevação de 22%, somando US$ 995,1 milhões sobre US$ 815,3 milhões em 2016.

Deixe seu comentário