Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Empresas | quarta-feira, 30/08/2017 02:44

MAN Latin America retoma jornada de trabalho integral e hora extra

Fábrica da montadora em Resende (RJ), que demitiu 2,3 mil na crise, também deve contratar novos colaboradores
Fábrica da montadora em Resende (RJ), que demitiu 2,3 mil na crise, também deve contratar novos colaboradores
 
A MAN Latin America voltou a operar, neste mês, em semana completa e contou com o retorno de funcionários que estavam com os contratos suspensos, após operar por dois anos em jornada reduzida de quatro dias por semana em sua fábrica, localizada em Resende (RJ). A  empresa informa que, até dezembro, terá de recorrer a horas extras para dar conta da demanda e pretende contratar novos colabores. 
 
Desde o início da crise econômica, a montadora fechou 2,3 mil vagas. Hoje, emprega 3,2 mil pessoas, incluindo funcionários dos fornecedores que operam no complexo de Resende.  De acordo com o presidente da MAN Latin America, Roberto Cortes, o próximo passo é a contratação de profissionais em setembro, quando a empresa vai iniciar a produção de uma nova linha de veículos. “Vamos ter de trabalhar três sábados por mês até o fim do ano”, disse. 
 
O executivo explica que o trabalho extra já foi acertado com o sindicato dos metalúrgicos local e que a venda para a Ambev, de 417 caminhões que devem ser entregues até o fim do ano, impulsionou o aumento das horas trabalhadas.  
 
Ociosidade
 
A recuperação da MAN, segunda maior fabricante de veículos pesados no País, atrás da Mercedes-Benz, é uma boa notícia para o setor, que opera com cerca de 70% de ociosidade há mais de um ano.
 
O mercado total de caminhões vendeu este ano, até julho, 25.990 unidades, 14% menos ante igual período de 2016. Em todo o ano passado foram 50,6 mil unidades e a previsão dos fabricantes é de um empate nos números deste ano, ou até um leve crescimento.
 
Segundo Cortes, a média diária de vendas nos dois primeiros meses do ano era de 155 veículos, volume que passou a 225 unidades de março a maio e nos últimos três meses está em 270 veículos.
 
Fonte: Jornal O Estado de São Paulo
 

Deixe seu comentário