Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Veículos Pesados | quarta-feira, 19/04/2017 08:37

Conversão do veículo para gás natural deve ser feita em oficinas certificadas

Inmetro atesta segurança da instalação do kit para substituição dos combustíveis
Inmetro atesta segurança da instalação do kit para substituição dos combustíveis
Abastecer o veículo com GNV (Gás Natural Veicular) pode representar uma economia significativa nas despesas mensais. O gasto chega a ser 68% menor que com etanol e 57% menor que com gasolina, segundo dados da Abegás (Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado). Os cálculos consideram a média de preços apurada pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), a performance com cada combustível e uma quilometragem mensal de 2.500 quilômetros. 
 
Por isso, converter o veículo pode ser um bom negócio, especialmente para quem roda mais, já que o custo de instalação do sistema de GNV passa de R$ 2.000 reais. Mas, na hora de procurar uma oficina para fazer a conversão, é importante verificar se o estabelecimento está certificado pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia). Isso garante que o equipamento e os procedimentos adotados seguem padrões de qualidade e de segurança. 
 
Segundo a Abegás, “as normas de segurança relacionadas à conversão do GNV são extremamente rígidas e seus controles são mais rigorosos do que a maioria das normas relacionadas a outros itens do veículo”. As oficinas credenciadas pelo Inmetro podem ser consultadas no site do instituto. 
 
A entidade explica que os componentes do sistema de conversão são testados exaustivamente pelos fabricantes, assegurando uma confiabilidade elevada; em caso de escapamento, o GNV se dissipa rapidamente na atmosfera, evitando concentrações de produtos potencialmente perigosos; durante o abastecimento, não há contato do gás com o oxigênio, o que elimina risco de combustão; as normas de projeto e construção dos postos de abastecimento são tão ou mais severas do que aquelas empregadas na conversão dos veículos; e o GNV não pode ser adulterado, o que proporciona ao consumidor uma confiabilidade maior sobre a origem e a qualidade do produto.
 
Fonte: Agência CNT de Notícias

Deixe seu comentário