Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Conjuntura | terça-feira, 28/11/2017 04:22

Brasil deveria focar política industrial em produtividade, diz Banco Mundial

BM destaca que país poderia economizar até dois pontos percentuais do PIB se reformulasse suas políticas de compensação tributária às empresas
O Brasil poderia economizar até 2 pontos percentuais do PIB (Produto Interno Bruto) se reformulasse suas políticas de compensação tributária às empresas, segundo o Banco Mundial.
 
Para isso, a instituição sugere que o país concentre sua política industrial no aumento da produtividade e no apoio direto às empresas em detrimento de medidas de gastos tributários ou subsídios indiretos.
 
No geral, as políticas voltadas às empresas representavam 4,5% do PIB em 2015, segundo o Banco Mundial. Dados do governo indicam que elas chegaram a 6,5% do PIB no fim do ano passado.
 
A economia viria de reformas em programas como o Simples (que reduz encargos para pequenas e médias empresas e custa 1,2% do PIB) e a Zona Franca de Manaus (0,4% do PIB). Além de encerrar a política de desoneração da folha de salários (com custo também de 0,4% do PIB).
 
Em evento do Insper em São Paulo, o economista do Banco Mundial, Xavier Cirera, disse que as políticas de apoio direto às empresas, que representam hoje 0,5% do PIB brasileiro, são mais modernas e mais fáceis de avaliar.
 
Como exemplo de sucesso nesse segmento, ele ressaltou o Cartão BNDES e o Pronatec. Cirera disse ainda que o Banco Mundial deve divulgar um relatório sobre produtividade no início de 2018.
 
Fonte: Folha de São Paulo 
 

Deixe seu comentário