Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Conjuntura | sexta-feira, 16/12/2016 11:52

Brasil deve retomar crescimento no segundo semestre de 2017, estima CNI

Desequilíbrio das contas públicas e ociosidade da indústria são alguns fatores que adiam a recuperação da economia para a metade do próximo ano

A economia brasileira começará a se recuperar lentamente em 2017. O Produto Interno Bruto (PIB) do país crescerá 0,5%, a indústria terá expansão de 1,3% e os investimentos aumentarão 2,3%, em um cenário de elevado desemprego e baixo consumo. As previsões são da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Além do desequilíbrio das contas públicas, a CNI lembra que a alta ociosidade do parque industrial e as dificuldades financeiras das famílias e das empresas adiarão a retomada do crescimento para o segundo semestre.

“A expectativa da indústria é que o governo acelere as reformas estruturais e restabeleça o equilíbrio da economia, abrindo o caminho para o país crescer de forma sustentada”, diz o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

Segundo a edição especial do Informe Conjuntural – Economia Brasileira, divulgado na última terça-feira, 13, o ano de 2017 será caracterizado por um início ainda muito difícil. A recuperação gradual da atividade prevista para o segundo semestre será impulsionada pela queda da inflação e pela redução dos juros. “A questão fiscal permanecerá crítica e fonte de desestabilização e incertezas no longo prazo”, avalia o estudo da CNI.

As previsões indicam que a dívida pública subirá de 72,1% do PIB em 2016 para 76,2% do PIB em 2017. O déficit público nominal aumentará de 9,35% do PIB em 2016 para 9,5% do PIB em 2017.

A solução da grave crise fiscal e a adoção de medidas que melhorem o ambiente de negócios e a ajudem a resgatar a competitividade das empresas são os principais desafios do Brasil para o próximo ano.

Fonte: Cargo News

Deixe seu comentário