Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Negócios | quinta-feira, 08/06/2017 04:32

Bancos liberaram R$ 22 bilhões para financiamento de veículos no 1º trimestre

Alta registrada nos contratos foi de 18,4% em doze meses em comparação com 2016
Alta registrada nos contratos foi de 18,4% em doze meses em comparação com 2016
A Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef) divulgou um boletim referente ao total de recursos liberados pelos bancos de montadoras e instituições independentes para financiar a compra de veículos no primeiro quadrimestre deste ano. A soma chegou a R$ 29,2 bilhões, o que representa uma alta de 15,3% em doze meses, já que no mesmo período em 2016 o montante disponibilizado foi de R$ 25,3 bilhões.
 
No entanto, se for considerado apenas o volume de financiamento concedido em abril, o mercado de crédito para compra de veículos apresentou resultado negativo: foram concedidos R$ 6,7 bilhões, ante R$ 8,3 bilhões do mês anterior, o que representa uma queda de 19,6% na comparação com março. 
 
Dos R$ 6,7 bilhões liberados pelo sistema financeiro, R$ 5,9 bilhões foram destinados às pessoas físicas (queda de 6,8% em relação a março e alta de 31% em doze meses) e os outros R$ 792 milhões para as pessoas jurídicas (recuo de 13,8% na comparação com o mês anterior e aumento de 16,8% em relação ao mesmo período de 2016).
 
No acumulado do ano, o montante liberado para as operações de financiamento foi de R$ 28,7 bilhões, aumento de 17% em doze meses. Para as pessoas físicas foram destinados R$ 25,7 bilhões e para as jurídicas, R$ 2,9 bilhões. Em doze meses, o volume de negócios para o primeiro grupo cresceu 17,2%, enquanto para o outro, 15,2%.
 
As operações de leasing apresentaram praticamente o mesmo desempenho registrado em março. Em abril, por exemplo, foram liberados R$ 152 milhões, o que representa uma pequena alta de 0,6% em relação ao mês anterior. Na comparação com o mesmo período do ano passado, no entanto, o recuo foi de 21,6%. O maior volume, de R$ 128 milhões, foi destinado às pessoas jurídicas, alta de 6,7% no mês e de 0,7% em doze meses. As pessoas físicas responderam por R$ 24 milhões dos negócios, queda de 27,3% em relação a março e de 64,2% na comparação com o mesmo período do ano passado.
 

Deixe seu comentário