Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Utilitários | sexta-feira, 10/02/2017 04:44

Baixas na concorrência e melhora da economia dão novo gás à linha Sprinter

Mercedes-Benz projeta expansão nas vendas de utilitários, impulsionadas pelo e-commerce e a saída da Ducato e da Transit do mercado brasileiro

No momento em que a linha Sprinter completa 20 anos de lançamento no mercado brasileiro, a Mercedes-Benz projeta uma expansão de 5% a 10%¨no mercado de utilitários com capacidade de 3,5 a 5t de PBT. Em 2016, a marca encerrou o ano com um total de 4.814 unidades licenciadas da linha Sprinter, ante 6.915 utilitários do ano anterior. A participação da marca no segmento, por sua vez, alcançou uma evolução de 2 pontos percentuais em relação aos 24,5% de 2015, relata a fabricante.

“Em apenas cinco anos, aumentamos nosso market share em mais de 12 pontos percentuais, saltando de 14% em 2011 para 26,6% em 2016”, diz Werner Schaal, gerente sênior de Marketing & Vendas Vans da Mercedes-Benz do Brasil. “Esse resultado é muito expressivo, por tratar-se de um segmento extremamente competitivo e com potencial de crescimento no País nos próximos anos”.

O executivo aposta em dias melhores pela frente, diante dos sinais positivos de aquecimento de alguns setores da economia, em especial o e-commerce, que projeta uma expansão de 13% neste ano. “Este cenário cria ótimas perspectivas para nossos veículos comerciais leves Sprinter. No caso do chassi com cabina, por exemplo, o mercado total deve ter um avanço entre 10 e 15% nas vendas em 2017”.

Segundo o executivo, o crescimento da Mercedes-Benz nesse mercado reflete o atendimento especializado e cada vez mais focado nos negócios de comerciais leves, tanto por parte da fábrica, quanto da Rede de Concessionários, com destaque para o atendimento exclusivo dos Vans Centers. “Isso também é fruto da parceria com o Consórcio Mercedes-Benz e o Banco Mercedes-Benz, que nos ajudam a oferecer condições atrativas para aquisição de veículos por nossos clientes”, conclui Werner Schaal.

Embora não faça referência ao fato, o otimismo de Schaal também é resultado da saída de importantes competidores do mercado brasileiro, em decorrência da brutal queda das vendas de veículos comerciais, desde 2014.  Naquele ano, a Ford Caminhões comunicou a suspensão da importação da Transit fabricada na Turquia. E, no final do ano passado, foi a vez da Fiat anunciar o fim da produção do Ducato na fábrica de Sete Lagoas (MG), que também fornecia para a Citroen e a Peugeot.

Deixe seu comentário