Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Mobilidade Urbana | segunda-feira, 07/11/2016 11:26

Aplicativo do Idec permite que paulistano avalie qualidade dos transportes

Ferramenta do Instituto possibilita dar notas e comparar as melhores e piores redes de mobilidade

Nesta segunda-feira, 7, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) lança a versão final do aplicativo MoveCidade. Disponível no Google Play para Android, a ferramenta permite que os usuários de São Paulo avaliem e comparem as viagens realizadas nos ônibus municipais, intermunicipais, metrô, CPTM e ciclovias, além das estações de bicicletas compartilhadas. As notas são dadas para quesitos como: tempo de espera, lotação, limpeza e infraestrutura dos sistemas.

De acordo com um levantamento realizado em março deste ano pelo Instituto, em parceria com o Data Popular, 89% dos consumidores já tiveram problemas com o transporte público. Mas, apenas 25% reclamam com frequência quando não estão satisfeitos com o serviço. Rafael Calabria, pesquisador do Idec, lembra que a qualidade das redes de mobilidade é direito de todos, garantido pelo Código de Defesa do Consumidor e pela Política Nacional de Mobilidade Urbana.

“Por meio do aplicativo, o Idec pretende que as pessoas opinem mais sobre os serviços de transporte. Numa visão de fortalecimento, a sociedade civil poderá se mobilizar e mudar tudo isso”, reforça Calabria. Com os dados coletados pelo MoveCidade, o Instituto criará um banco de dados e as informações serão encaminhadas às empresas prestadoras dos serviços e as autoridades responsáveis, como forma de pressão e reivindicação dos cidadãos.

O aplicativo também permite que o usuário veja as notas finais das estruturas de cada meio de transporte (linhas, estações e ciclovias). “Haverá, por exemplo, um ranking das melhores e piores linhas de ônibus em que será possível comparar duas delas à sua escolha, assim como nos outros modais”, finaliza o pesquisador.

No final do mês, serão incluídos os meios de transporte das cidades do Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Até 2017, outras capitais serão acrescentadas permitindo comparações entre as localidades.

Deixe seu comentário